Africa a dona do mundo

África é o segundo maior do mundo eo segundo maior populoso continente, Depois Ásia. A cerca de 30.200.000 km ² (11,7 milhões sq mi), Incluindo as ilhas adjacentes, cobre 6% da Terra'S superfície total e 20,4% da área total.[2] Com um bilhão de pessoas (a partir de 2009, ver tabela) Em 61 territórios, representando cerca de 14,72% do Mundo'S humano população. O continente está cercado pela Mar Mediterrâneo ao norte, ambas as Canal de Suez e Mar Vermelho ao longo do Península do Sinai para o Nordeste, o Oceano Índico a sudeste, ea Oceano Atlântico a oeste. O continente tem 54 estados, incluindo Madagáscar, Vários grupos de ilhas, e os República Árabe Saaraui Democrática, Um Estado membro da Africano da União cuja soberania é disputada por Marrocos.
África, particularmente central África Oriental, É considerado dentro da comunidade científica ser a origem de seres humanos e Hominidae clado (grandes macacos), Com a evidenciado pela descoberta dos primeiros hominídeos e de seus antepassados, bem como as posteriores que foram datados de cerca de sete milhões de anos atrás - incluindo Sahelanthropus tchadensis, Australopithecus africanus, A. afarensis, Homo erectus, H. habilis e ergaster H. - Com os primeiros Homo sapiens (Homem moderno) encontrados em Etiópia sendo datado de ca. 200 mil anos atrás.[3]
África atravessa o equador e abrange inúmeras áreas de clima, é o único continente que se estendem do norte temperado ao sul das zonas temperadas.[4]

Etymology

Afri was the name of several peoples who dwelt in North Africa near Carthage. Their name is usually connected with Phoenician afar, "dust", but a 1981 theory[5] has asserted that it stems from a Berber word ifri or Ifran meaning "cave", in reference to cave dwellers.[6] Africa or Ifri or Afer[6] is name of Banu Ifran from Algeria and Tripolitania (Berber Tribe of Yafran).[7]
Under Roman rule, Carthage became the capital of Africa Province, which also included the coastal part of modern Libya. The Roman suffix "-ca" denotes "country or land".[8] The later Muslim kingdom of Ifriqiya, modern-day Tunisia, also preserved a form of the name.
Other etymologies that have been postulated for the ancient name "Africa":
  • the 1st century Jewish historian Flavius Josephus (Ant. 1.15) asserted that it was named for Epher, grandson of Abraham according to Gen. 25:4, whose descendants, he claimed, had invaded Libya.
  • Latin word aprica ("sunny") mentioned by Isidore of Seville in Etymologiae XIV.5.2.
  • the Greek word aphrike (Αφρική), meaning "without cold." This was proposed by historian Leo Africanus (1488–1554), who suggested the Greek word phrike (φρίκη, meaning "cold and horror"), combined with the privative prefix "a-", thus indicating a land free of cold and horror.
  • Massey, in 1881, derived an etymology from the Egyptian af-rui-ka, "to turn toward the opening of the Ka." The Ka is the energetic double of every person and "opening of the Ka" refers to a womb or birthplace. Africa would be, for the Egyptians, "the birthplace."[9]
  • yet another hypothesis was proposed by Michèle Fruyt in Revue de Philologie 50, 1976: 221–238, linking the Latin word with africus 'south wind', which would be of Umbrian origin and mean originally 'rainy wind'.
The Irish female name Aifric is sometimes anglicised as Africa, but the given name is unrelated to the geonym.

History

Paleohistory

The African prosauropod Massospondylus
At the beginning of the Mesozoic Era, Africa was joined with Earth's other continents in Pangaea.[10] Africa shared the supercontinent's relatively uniform fauna which was dominated by theropods, prosauropods and primitive ornithischians by the close of the Triassic period.[10] Late Triassic fossils are found through-out Africa, but are more common in the south than north.[10] The boundary separating the Triassic and Jurassic marks the advent of an extinction event with global impact, although African strata from this time period have not been thoroughly studied.[10]
Early Jurassic strata are distributed in a similar fashion to Late Triassic beds, with more common outcrops in the south and less common fossil beds which are predominated by tracks to the north.[10] As the Jurassic proceeded, larger and more iconic groups of dinosaurs like sauropods and ornithopods proliferated in Africa.[10] Middle Jurassic strata are neither well represented nor well studied in Africa.[10] Late Jurassic strata are also poorly represented apart from the spectacular Tendaguru fauna in Tanzania.[10] The Late Jurassic life of Tendaguru is very similar to that found in western North America's Morrison Formation.[10]
Midway through the Mesozoic, about 150–160 million years ago, Madagascar separated from Africa, although it remained connected to India and the rest of the Gondwanan landmasses.[10] Fossils from Madagascar include abelisaurs and titanosaurs.[10]
The African theropod Spinosaurus was the largest known carnivorous dinosaur.
Later into the Early Cretaceous epoch, the India-Madagascar landmass separated from the rest of Gondwana.[10] By the Late Cretaceous, Madagascar and India had permanently split ways and continued until later reaching their modern configurations.[10]
By contrast to Madagascar, mainland Africa was relatively stable in position through-out the Mesozoic.[10] Despite the stable position, major changes occurred to its relation to other landmasses as the remains of Pangea continued to break apart.[10] By the beginning of the Late Cretaceous epoch South America had split off from Africa, completing the southern half of the Atlantic Ocean.[10] This event had a profound effect on global climate by altering ocean currents.[10]
During the Cretaceous, Africa was populated by allosauroids and spinosaurids, including the largest known carnivorous dinosaurs.[10] Titanosaurs were significant herbivores in its ancient ecosystems.[10] Cretaceous sites are more common than Jurassic ones, but are often unable to be dated radiometrically making it difficult to know their exact ages.[10] Paleontologist Louis Jacobs, who spent time doing field work in Malawi,[citation needed] says that African beds are "in need of more field work" and will prove to be a "fertile ground ... for discovery."[10]

Pre-history

Lucy, an Australopithecus afarensis skeleton discovered on November 24, 1974, in the Awash Valley of Ethiopia's Afar Depression
Africa is considered by most paleoanthropologists to be the oldest inhabited territory on Earth, with the human species originating from the continent.[11][12] During the middle of the twentieth century, anthropologists discovered many fossils and evidence of human occupation perhaps as early as 7 million years ago. Fossil remains of several species of early apelike humans thought to have evolved into modern man, such as Australopithecus afarensis (radiometrically dated to approximately 3.9–3.0 million years BC),[13] Paranthropus boisei (c. 2.3–1.4 million years BC)[14] and Homo ergaster (c. 1.9 million–600,000 years BC) have been discovered.[2]
Throughout humanity's prehistory, Africa (like all other continents) had no nation states, and was instead inhabited by groups of hunter-gatherers such as the Khoi and San.[15][16][17]
At the end of the Ice Ages, estimated to have been around 10,500 BC, the Sahara had again become a green fertile valley, and its African populations returned from the interior and coastal highlands in Sub-Saharan Africa[citation needed]. However, the warming and drying climate meant that by 5000 BC the Sahara region was becoming increasingly dry and hostile. The population trekked out of the Sahara region towards the Nile Valley below the Second Cataract where they made permanent or semi-permanent settlements. A major climatic recession occurred, lessening the heavy and persistent rains in Central and Eastern Africa. Since this time dry conditions have prevailed in Eastern Africa, and increasingly during the last 200 years, in Ethiopia.
The domestication of cattle in Africa preceded agriculture and seems to have existed alongside hunter-gathering cultures. It is speculated that by 6000 BC cattle were already domesticated in North Africa.[18] In the Sahara-Nile complex, people domesticated many animals including the donkey, and a small screw-horned goat which was common from Algeria to Nubia. In the year 4000 BC the climate of the Sahara started to become drier at an exceedingly fast pace.[19] This climate change caused lakes and rivers to shrink significantly and caused increasing desertification. This, in turn, decreased the amount of land conducive to settlements and helped to cause migrations of farming communities to the more tropical climate of West Africa.[19]
By the first millennium BC ironworking had been introduced in Northern Africa and quickly spread across the Sahara into the northern parts of sub-Saharan Africa[20] and by 500 BC metalworking began to become commonplace in West Africa. Ironworking was fully established by roughly 500 BC in many areas of East and West Africa, although other regions didn't begin ironworking until the early centuries AD. Copper objects from Egypt, North Africa, Nubia and Ethiopia dating from around 500 BC have been excavated in West Africa, suggesting that trans-saharan trade networks had been established by this date.[19]

Early civilizations

Colossal statues of Ramesses II at Abu Simbel, Egypt, date from around 1400 BC.
At about 3300 BC, the historical record opens in Northern Africa with the rise of literacy in the Pharaonic civilisation of Ancient Egypt.[21] One of the world's earliest and longest-lasting civilizations, the Egyptian state continued, with varying levels of influence over other areas, until 343 BC.[22][23] Egyptian influence reached deep into modern-day Libya, north to Crete[24] and Canaan[citation needed], and south to the kingdoms of Aksum[citation needed] and Nubia[citation needed].
An independent centre of civilisation with trading links to Phoenicia was established by Phoenicians from Tyre on the north-west African coast at Carthage.[25][26][27]
European exploration of Africa began with Ancient Greeks and Romans. In 332 BC, Alexander the Great was welcomed as a liberator in Persian-occupied Egypt. He founded Alexandria in Egypt, which would become the prosperous capital of the Ptolemaic dynasty after his death.[28] Following the conquest of North Africa's Mediterranean coastline by the Roman Empire, the area was integrated economically and culturally into the Roman system. Roman settlement occurred in modern Tunisia and elsewhere along the coast. Christianity spread across these areas from Palestine via Egypt, also passing south, beyond the borders of the Roman world into Nubia and by at least the 6th century into Ethiopia.
In the early 7th century, the newly formed Arabian Islamic Caliphate expanded into Egypt, and then into North Africa. In a short while the local Berber elite had been integrated into Muslim Arab tribes. When the Ummayad capital Damascus fell in the eight century, the Islamic center of the Mediterranean shifted from Syria to Qayrawan in North Africa. Islamic North Africa had become diverse, and a hub for mystics, scholars, jurists and philosophers. During the above mentioned period, Islam spread to sub-Saharan Africa, mainly through trade routes and migration.[29]

9th–18th century

9th century bronzes from the Igbo town of Igbo Ukwu, now at the British Museum[30]
Pre-colonial Africa possessed perhaps as many as 10,000 different states and polities[31] characterised by many different sorts of political organisation and rule. These included small family groups of hunter-gatherers such as the San people of southern Africa; larger, more structured groups such as the family clan groupings of the Bantu-speaking people of central and southern Africa, heavily structured clan groups in the Horn of Africa, the large Sahelian kingdoms, and autonomous city-states and kingdoms such as those of the Yoruba and Igbo people (also misspelled as Ibo) in West Africa, and the Swahili coastal trading towns of East Africa.
By the 9th century AD a string of dynastic states, including the earliest Hausa states, stretched across the sub-saharan savannah from the western regions to central Sudan. The most powerful of these states were Ghana, Gao, and the Kanem-Bornu Empire. Ghana declined in the 11th century but was succeeded by the Mali Empire which consolidated much of western Sudan in the 13th century. Kanem accepted Islam in the 11th century.
In the forested regions of the West African coast, independent kingdoms grew up with little influence from the Muslim north. The Kingdom of Nri of the Igbo was established around the 9th century and was one of the first. It is also one of the oldest Kingdom in modern day Nigeria and was ruled by the Eze Nri. The Nri kingdom is famous for its elaborate bronzes, found at the town of Igbo Ukwu. The bronzes have been dated from as far back as the 9th century.[32]
Ashanti yam ceremony, 19th century by Thomas E. Bowdich
The Ife, historically the first of these Yoruba city-states or kingdoms, established government under a priestly oba (ruler), (oba means 'king' or 'ruler' in the Yoruba language), called the Ooni of Ife. Ife was noted as a major religious and cultural centre in Africa, and for its unique naturalistic tradition of bronze sculpture. The Ife model of government was adapted at Oyo, where its obas or kings, called the Alaafins of Oyo once controlled a large number of other Yoruba and non Yoruba city states and Kingdoms, the Fon Kingdom of Dahomey was one of the non Yoruba domains under Oyo control.
The Almoravids, was a Berber dynasty from the Sahara that spread over a wide area of northwestern Africa and the Iberian peninsula during the 11th century.[33] The Banu Hilal and Banu Ma'qil were a collection of Arab Bedouin tribes from the Arabian peninsula who migrated westwards via Egypt between the 11th and 13th centuries. Their migration resulted in the fusion of the Arabs and Berbers, where the locals were Arabized,[34] and Arab culture absorbed elements of the local culture, under the unifying framework of Islam.[35]
Ruins of Great Zimbabwe (11th–15th c.)
Following the breakup of Mali a local leader named Sonni Ali (1464–1492) founded the Songhai Empire in the region of middle Niger and the western Sudan and took control of the trans-Saharan trade. Sonni Ali seized Timbuktu in 1468 and Jenne in 1473, building his regime on trade revenues and the cooperation of Muslim merchants. His successor Askia Mohammad I (1493–1528) made Islam the official religion, built mosques, and brought Muslim scholars, including al-Maghili (d.1504), the founder of an important tradition of Sudanic African Muslim scholarship, to Gao.[36] By the 11th century some Hausa states – such as Kano, jigawa, Katsina, and Gobir – had developed into walled towns engaging in trade, servicing caravans, and the manufacture of goods. Until the 15th century these small states were on the periphery of the major Sudanic empires of the era, paying tribute to Songhai to the west and Kanem-Borno to the east.

E ao fabrico de produtos. Até o século 15 estes foram os pequenos estados na periferia dos grandes impérios sudanesas da época, em homenagem a Songhai para o oeste e Kanem-Bornu, a leste.

Altura do comércio de escravos

A Point of No Return em Ouidah, Benin, Um gateway ex-escravos para navios negreiros
Escravidão tem sido praticada na África, bem como em outros lugares, ao longo da história registrada.[37][38] Entre os séculos VII e XX, comércio de escravos árabes (Também conhecido como a escravidão no Oriente) levou 18 milhões de escravos da África via trans-saariano e as rotas do oceano Índico. Entre os séculos XV e XIX, a Comércio de escravos do Atlântico tomou 7-12000000 escravos para o Novo Mundo.[39][40][41]
Em África Ocidental, O declínio do comércio atlântico de escravos na década de 1820 causou dramáticas mudanças econômicas em contextos locais. A diminuição gradual do comércio de escravos, impulsionada pela falta de demanda por escravos na Novo mundo, Aumentando anti-escravidão legislação na Europa e América, e os Marinha Real Britânica presença cada vez maior ao largo da costa Oeste Africano, obrigado estados Africano adotar novas economias. Entre 1808 e 1860, os britânicos Esquadrão da África Ocidental apreendeu cerca de 1.600 navios negreiros e libertou 150 mil africanos que estavam a bordo.[42] Ação também foi tomada contra os líderes Africano que se recusou a concordar com os tratados britânicos para tornar o comércio ilegal, por exemplo, contra "o usurpador rei de Lagos", Deposto em 1851 tratados. Anti-escravidão foram assinados com mais de 50 governantes Africano.[43] O maior poder da África ocidental: o Asante Confederação, O Reino de Daomé, E os Império de Oyo, Adoptado diferentes formas de adaptação à mudança. Asante e Daomé concentrado sobre o desenvolvimento do "comércio legítimo" sob a forma de óleo de palma, cacau, madeira e ouro, Formando a base do comércio de exportação da África Ocidental moderno. O Império de Oyo, incapaz de se adaptar, desabou em guerras civis.[44]

O colonialismo ea luta para a África "

Áreas de África sob o controle, influência ou controle alegou, das potências coloniais em 1914 (início da Primeira Guerra Mundial).
No final do século XIX, o Europeu imperial potências envolvidas em um grande disputa territorial e ocuparam a maior parte do continente, criando muitas colonial territórios, deixando apenas dois estados completamente independentes: Etiópia (Conhecido pelos europeus como "Abissínia"), e Libéria. Egito e Sudão nunca foram integradas em qualquer império colonial europeu, no entanto, após a ocupação britânica de 1882, o país foi efetivamente sob a administração britânica até 1922. Estado Imperial pelos europeus iriam continuar até depois da conclusão da Segunda Guerra Mundial, quando quase todos os territórios coloniais remanescentes gradualmente obteve a independência formal.
Os movimentos de independência em África ganhou impulso após a Segunda Guerra Mundial, que deixou as grandes potências européias enfraquecidas. Em 1951, Líbia, Uma antiga colónia italiana, ganhou a independência. Em 1956, Tunísia e Marrocos ganhou sua independência da França. Gana seguiram o próximo ano, tornando-se a primeira das colônias Subsaariana a ser liberado. A maior parte do resto do continente tornou-se independente durante a próxima década, na maioria das vezes através de meios relativamente pacífica, embora em alguns países, nomeadamente na Argélia, que só veio após uma luta violenta. presença de Portugal no estrangeiro África Subsariana (Nomeadamente nos Angola, Cabo Verde, Moçambique, Guiné e São Tomé e Príncipe) durou desde o século 16 a 1975, após a Estado Novo regime foi derrubado em um golpe militar em Lisboa. Zimbábue conquistou a sua independência do Reino Unido em 1980 após um guerra de guerrilha amargo entre os nacionalistas negros ea minoria branca Rhodesian Governo do Ian Smith. Embora África do Sul foi um dos primeiros países Africano para conquistar a independência, o estado permaneceu sob o controle da minoria branca do país através de um sistema de segregação racial conhecido como apartheid até 1994.

África pós-colonial

Hoje, a África contém 54 países soberanos, a maioria dos que ainda têm as fronteiras estabelecidas durante a era do colonialismo europeu. Desde que o colonialismo, os estados Africano tem sido freqüentemente prejudicada pela instabilidade, a corrupção, violência e autoritarismo. A grande maioria dos estados são Africano repúblicas que operam sob alguma forma de sistema presidencialista do Estado. No entanto, poucos deles têm sido capazes de sustentar democrático governos de forma permanente, e muitos têm vez reciclados através de uma série de golpes, Produzindo ditaduras militares. Uma série de estudos pós-coloniais da África líderes políticos eram generais militares que foram mal educados e ignorantes sobre questões de governação. grande instabilidade, no entanto, foi principalmente o resultado da marginalização dos grupos étnicos, corrupção e no âmbito destes líderes. Para ganho político, Muitos dirigentes ventilaram os conflitos étnicos que haviam sido exacerbada, ou mesmo criada, pelo Estado colonial. Em muitos países, a militar foi percebida como sendo o único grupo que poderia efetivamente manter a ordem, e se pronunciou muitas nações em África durante os anos 1970 e início de 1980. Durante o período compreendido entre o início dos anos 1960 à década de 1980, na África tinham mais de 70 golpes e 13 presidenciais assassinatos. Fronteiras e conflitos territoriais também foram comuns, com as fronteiras impostas europeu de muitas nações têm sido amplamente contestada por meio de conflitos armados.
Guerra Fria os conflitos entre os Estados Unidos ea União Soviética, Bem como as políticas da Fundo Monetário Internacional, Também desempenhou um papel importante na instabilidade. Quando um país se tornou independente pela primeira vez, que muitas vezes era esperado para alinhar com um dos dois superpotências. Muitos países em Norte de África receberam ajuda militar soviética, enquanto muitos na África Central e Austral foram apoiadas pelos Estados Unidos, França, ou ambos. A década de 1970 viu uma escalada, como recém-independente Angola e Moçambique alinharam-se com a União Soviética eo Ocidente e África do Sul tentou conter a influência soviética, financiando movimentos de insurgência. Houve um grande fome na Etiópia, Quando centenas de milhares de pessoas morrendo de fome. Alguns alegaram que marxista / políticas soviéticas, piorou a situação.[45][46][47]
O conflito militar mais devastador na África moderna independente tem sido o Segunda guerra do Congo. Em 2008, este conflito e suas conseqüências matou 5,4 milhões de pessoas. Desde 2003 tem havido um contínuo conflito em Darfur que se tornou um desastre humanitário. SIDA também tem sido um problema prevalente na África pós-colonial.

Geografia

A imagem de satélite composto de África (centro) com a América do Norte (esquerda) e Eurásia (direita) para escala
A África é o maior dos três grandes projeções para o sul a partir da maior massa de terra da Terra. Separada da Europa pelo Mar Mediterrâneo, Ele se une à Ásia na sua extremidade nordeste pelo Istmo de Suez (Seccionado pela Canal de Suez), 163 km (101 milhas) de largura.[48] (Geopoliticamente, Egito'S Península do Sinai leste do Canal de Suez é muitas vezes considerado parte da África, também.)[49] Do ponto mais a norte, Ras ben Sakka em Tunísia (37 ° 21 'N), até o ponto mais a sul, Cabo das Agulhas África do Sul (34 ° 51'15 "S), a uma distância de aproximadamente 8.000 km (5.000 milhas);[50] a partir de Cabo Verde, 17 ° 33'22 "W, o ponto mais ocidental, a Ras Hafun em Somália, 51 ° 27'52 "E, a projeção mais a leste, a uma distância de aproximadamente 7.400 km (4.600 milhas).[51] O litoral é de 26.000 km (16,100 milhas) de comprimento, ea ausência de recortes profundos da costa é ilustrada pelo facto de a Europa, que abrange apenas 10.400 mil km ² (4.010 mil milhas quadradas) - cerca de um terço da superfície da África - tem um litoral de 32.000 km (19,800 milhas).[51]
maior país da África é Sudão, Eo país é o seu menor Seychelles, Um arquipélago ao largo da costa leste.[52] A menor nação no território continental é A Gâmbia.
Biomas da África (ver mapa de vegetação do mundo por chave)
De acordo com o antigo Romanos, A África estava a oeste da Egito, Enquanto "Ásia" foi usado para se referir a Anatolia e as terras a leste. A linha definida foi elaborada entre os dois continentes pelo geógrafo Ptolomeu (85-165 dC), indicando Alexandria ao longo do Meridiano de Greenwich e fazendo o istmo de Suez e Mar Vermelho a fronteira entre a Ásia ea África. Como os europeus vieram a perceber a real dimensão do continente, a idéia de África expandiu-se com o seu conhecimento.
Geologicamente, a África inclui a Península Arábica, O Montanhas Zagros do Irão e ao Planalto da Anatólia da Turquia, onde a marca Africano Plate colidiu com a Eurásia. O ecozone Afrotropic e deserto Saharo-árabe ao seu norte unir a região biogeográfica, e os Afro-asiática família de línguas une o norte lingüisticamente.

Clima

O clima varia de África a partir de tropical para subártico sobre a sua picos mais altos. Sua metade norte é principalmente deserto ou árido, Enquanto as áreas central e sul contêm savana planície e muito denso selva (Mata) Regiões. No meio, há uma convergência em padrões de vegetação, tais como sahelE estepe dominar.

Fauna

Savanna a Ngorongoro, Tanzânia.
África possui talvez a maior associação do mundo da densidade e da "escala de" liberdade de de animais silvestres populações e diversidade, com as populações selvagens de grande carnívoros (Tais como leões, hienasE cheetahs) E herbívoros (Tais como búfalo, veado, elefantes, camelosE girafas), Variando livremente em primeiro lugar aberto planícies não privada. É também o lar de uma variedade de criaturas da selva (incluindo serpentes e primatas) E vida aquática (Incluindo crocodilos e anfíbios). A África também tem o maior número de megafauna espécies, como era o menos afectado pela extinção da megafauna do Pleistoceno.

Ecologia

África está a sofrer desmatamento com o dobro da taxa mundial, de acordo com o United Nations Environment Programme (UNEP).[53] Algumas fontes afirmam que o desmatamento já destruiu cerca de 90% do África Ocidental'S florestas originais.[54] Desde a chegada dos seres humanos de 2000 anos atrás, Madagáscar perdeu mais de 90% de sua floresta original.[55] Cerca de 65% das terras agrícolas em África sofre com a degradação do solo.[56]

Política

Egypt Sudan Eritrea Ethiopia Djibouti Somalia Kenya Uganda Rwanda Burundi Tanzania Mozambique Malawi Madagascar Swaziland Lesotho South Africa Zimbabwe Botswana Namibia Angola Zambia Democratic Republic of the Congo Republic of the Congo Gabon São Tomé 
and Príncipe Equatorial 
Guinea Cameroon Central African Republic Chad Nigeria Niger Burkina 
Faso Benin Togo Ghana Côte d'Ivoire Liberia Sierra Leone Guinea Guinea-Bissau Senegal Gambia Mauritania Mali Western Sahara Morocco Algeria Tunisia Libya Middle East Mediterranean Sea Indian Ocean Red Sea Atlantic Ocean Strait of Gibraltar
Mapa político do continente africano. área (clique Passe o mouse para ver o nome, para ir ao artigo.)

O Africano da União (UA) é uma federação composta por 53 membros todos os estados da África, exceto Marrocos. O sindicato foi formado, com Adis Abeba como sua sede, em 26 de junho de 2001. Em julho de 2004, a União Africano de Parlamento Pan-Africano (PAP) foi transferida para Midrand, Na África do Sul, mas a Comissão Africano dos Direitos Humanos e dos Povos manteve-se em Adis Abeba. Há uma política de fato para descentralizar as instituições da Federação Africano, de modo que sejam compartilhados por todos os estados.
A União Africano, não deve ser confundida com a Comissão da UA, é formado pela Acto Constitutivo da União Africano, Que visa transformar a Comunidade Económica Africano, Uma república federada, em um estado com as convenções internacionais. A União Africano tem um governo parlamentar, conhecido como o Governo da União Africano, Constituído de medidas legislativas, judiciárias e os órgãos executivos. É liderado pela União Africano Presidente e Chefe de Estado, que também é presidente do Parlamento Pan-Africano. A pessoa torna-se presidente da UA, sendo eleito para o PAP, e depois ganhar o apoio da maioria no PAP.
Os poderes e autoridade do Presidente do Parlamento Africano decorrem do Acto Constitutivo e do Protocolo do Parlamento Pan-Africano, Bem como a herança dos poderes presidenciais previstos em tratados Africano e por tratados internacionais, incluindo os subordinação do Secretário-Geral da OUA Secretariado (Comissão da UA) para o PAP. O governo da UA é constituída por todos os sindicatos (federal), regional, estadual e municipais, bem como centenas de instituições, que juntas gerir os negócios do dia-a-dia da instituição.
Há sinais claros de maior rede entre as organizações Africano e dos estados. Na guerra civil na República Democrática do Congo (Ex- Zaire), Ao invés de rico, não-Africano países intervenientes, os países vizinhos se envolveram Africano (ver também Segunda guerra do Congo). Desde o início do conflito em 1998, o número de mortos estimado chegou a 5.000.000.
associações políticas, como a Africano da União oferecem a esperança de uma maior cooperação e paz entre muitos países do continente. Extensive abusos dos direitos humanos ainda ocorrem em várias partes da África, muitas vezes sob a supervisão do Estado. A maioria de tais violações ocorrem por motivos políticos, muitas vezes, como um efeito colateral da guerra civil. Os países onde grandes violações dos direitos humanos têm sido relatados nos últimos tempos incluem o República Democrática do Congo, Serra Leoa, Libéria, Sudão, ZimbábueE Côte d'Ivoire.

Economia

Embora tenha abundante recursos naturais, A África continua a ser o mundo mais pobres e mais subdesenvolvido continente, devido a uma variedade de causas que podem incluir a propagação da mortal doenças e vírus (Nomeadamente HIV/SIDA e malária), governos corruptos que muitas vezes cometido graves violações dos direitos humanos, Não planejamento central, Altos níveis de analfabetismo, Falta de acesso ao capital estrangeiro, e os conflitos tribais e militares freqüentes (variando de guerrilha a guerra genocídio).[57] De acordo com o Nações Unidas"Relatório do Desenvolvimento Humano em 2003, o fundo de 25 nações classificado (151a - 175a) foram Africano.[58]
Pobreza, analfabetismo, subnutrição e abastecimento de água e saneamento inadequado, bem como problemas de saúde, afectam uma grande percentagem das pessoas que residem no continente Africano. Em agosto de 2008, o Banco Mundial[59] anunciada revisão da pobreza global estimativas baseadas em uma nova linha de pobreza internacional de US $ 1,25 por dia (contra a medida anterior de US $ 1,00). 80,5% dos África Subsariana população vivia com menos de 2,50 dólares (PPP) por dia em 2005, comparado com 85,7% para Índia.[60] Os novos dados confirmam que a África subsaariana tem sido a região menos bem sucedidos do mundo na redução da pobreza (1,25 dólar americano por dia), cerca de 50% da população vivendo na pobreza em 1981 (200 milhões de pessoas), um número que subiu para 58 % em 1996 antes de cair para 50% em 2005 (380 milhões de pessoas). A média das pessoas pobres na África Subsaariana é estimada a viver em apenas 70 cêntimos por dia, e foi pior em 2003 do que ele ou ela foi em 1973 [61] indicando o aumento da pobreza em algumas áreas. Algumas delas é atribuída ao sucesso de programas de liberalização econômica liderada pelas empresas e governos estrangeiros, mas outros estudos e relatórios citados más políticas do governo nacional mais de fatores externos.[62][63][64]
De 1995 a 2005, a taxa de África do crescimento econômico aumentaram, em média de 5% em 2005. Alguns países tiveram ainda maiores taxas de crescimento, nomeadamente Angola, Sudão e Guiné Equatorial, Três dos quais tinham começado recentemente a extração de petróleo reservas ou tinham expandido a sua extração de petróleo capacidade. O continente tem 90% do mundo cobalto, 90% de sua platina, 50% de sua ouro, 98% de sua crômio, 70% de sua tantalita,[65] 64% dos seus manganês e um terço dos seus urânio.[66] O República Democrática do Congo (DRC) tem 70% do mundo coltanE, a maioria dos celulares no mundo coltan neles. A RDC tem também mais de 30% do mundo diamante reservas.[67] Guiné é o maior exportador mundial de bauxita.[68] Nos últimos anos, a República Popular da China construiu laços cada vez mais forte com os países Africano. Em 2007, as empresas chinesas investiram um total de E.U. $ 1 bilhão em África.[69]

População

população da África tem aumentado rapidamente nos últimos 40 anos, e, conseqüentemente, é relativamente jovem. Em alguns estados Africano meia ou mais da população está abaixo dos 25 anos de idade.[70] Africano população cresceu de 221 milhões em 1950 para 1 bilhão em 2009.[71][72]
Oradores de línguas Bantu (Parte da família Níger-Congo) são a maioria no sul, centro e leste da África adequada. Mas também existem várias Nilótico grupos na África Oriental, e alguns remanescentes indígena Khoisan ('San ' ou 'Bushmen») E Pigmeu povos da África Austral e Central, respectivamente. Africanos de língua banto também predominam no Gabão e Guiné Equatorial, e são encontradas em partes do sul de Camarões. No Deserto de Kalahari da África do Sul, os povos distintos conhecidos como os bosquímanos (também "San", estreitamente relacionadas, mas distintas "Hottentots") Tem sido desde há muito presentes. O San são fisicamente distintos dos outros africanos e os povos indígenas do sul da África. Pigmeus são os povos indígenas pré-Bantu da África central.[73]
San homem Botswana
Os povos da Norte de África compreendem dois grupos principais; Bérbere e Árabepovos de língua no Ocidente, e Egípcios no leste. O Árabes que chegaram no século VII introduziu a língua árabe e Islam a África do Norte. Os semitas Fenícios, O iraniano Alans, O Parlamento Europeu Gregos, Romanos e Vândalos liquidadas no norte da África também. Berberes ainda compõem a maioria em Marrocos, Enquanto eles são uma minoria significativa dentro Argélia. Eles também estão presentes em Tunísia e Líbia.[74] O Tuareg e outras tantas vezesnômade povos são os principais habitantes do interior do norte da África subsaariana. Nubians são um Nilo-Saharangrupo de fala (embora muitos também falam árabe), que desenvolveu uma civilização antiga, no nordeste da África.
Alguns Etíope e Eritreia grupos (como o Amhara e Tigrayans, Conhecidos coletivamente como "Habesha") Falam línguas semíticas. O Oromo e somalis falar Cushitic línguas, mas alguns clãs somalis trace a sua fundação, fundadores do lendário árabe. Sudão e Mauritânia são divididos entre um norte árabe e um sul Africano (apesar de os "árabes" do Sudão têm claramente uma ascendência predominantemente nativas Africano-se). Algumas áreas da África Oriental, em particular a ilha de Zanzibar e os quenianos ilha de Lamu, Recebeu árabes muçulmanos e Sudoeste asiático colonos e comerciantes em todo o Idade média e na antiguidade.[75]
Antes da descolonização movimentos do pós-II Guerra Mundial era, Brancos estiveram representados em todas as partes da África.[76] O processo de descolonização na década de 1960 e 1970 resultaram muitas vezes na emigração em massa de colonos europeus, descendentes fora da África - especialmente da Argélia (pieds-noirs), Marrocos,[77] Quénia, Congo,[78] Angola,[79] Moçambique e Rodésia. No entanto, White africanos continuam a ser uma minoria importante em muitos estados Africano. O país Africano com a maior população branca é Africano África do Sul.[80] O Afrikaners, O Anglo-africanos e Mestiços são os maiores grupos de origem européia na África hoje.
Mulher de Benin
A colonização européia trouxe também grupos consideráveis de Asiáticos, Em especial as pessoas da subcontinente indiano, Às colônias britânicas. Grande comunidades indígenas são encontradas na África do Sul, e os menores estão presentes no Quênia, Tanzânia e outros países do Sul e do Leste Africano. O grande comunidade indiana em Uganda foi expulso pelo ditador Idi Amin em 1972, embora muitos já retornaram. As ilhas no Oceano Índico são igualmente povoada principalmente por pessoas de origem asiática, muitas vezes misturada com africanos e europeus. O povo malgaxe de Madagáscar são uma pessoas Austronesian, Mas aqueles ao longo da costa são geralmente misturadas com Bantu, árabes, indianos e europeus origens. ancestrais malaios e indianos também são componentes importantes no grupo de pessoas conhecidas na África do Sul Cabo Coloureds (Pessoas com origens em duas ou mais raças e continentes). Durante o século 20, as comunidades pequenas, mas importantes economicamente do Libanês e Chinês[69] também têm desenvolvido nas grandes cidades costeiras de Ocidente e África Oriental, Respectivamente.[81]

Idiomas

Mapa mostrando a distribuição das famílias de línguas de África.
A maioria das estimativas, mais de mil línguas (UNESCO estimou que cerca de dois mil) são faladas em África.[82] A maioria são de origem Africano, embora algumas sejam de origem européia ou asiática. África é o mais multilíngue continente do mundo, e não são raras as pessoas que falam fluentemente várias línguas, não só Africano, mas um ou os mais europeus. Existem quatro principais famílias de línguas indígenas para a África.
  • O Afro-asiática as línguas são uma família de línguas de cerca de 240 línguas e 285 milhões de pessoas difundida em todo o Corno de África, Norte de África, O SahelE Sudoeste Asiático.
  • O Nilo-Saharan família lingüística constituída por mais de uma centena de idiomas falados por 30 milhões de pessoas. línguas nilo-saarianas são faladas por Nilótico tribos Chade, Etiópia, Quênia, Sudão, Uganda, E do norte Tanzânia.
  • O Níger-Congo família lingüística abrange grande parte da África subsaariana e é provavelmente a maior família de línguas no mundo em termos de línguas diferentes.
  • O Khoisan número de línguas de cerca de cinquenta e são faladas na África do Sul por cerca de 120 mil pessoas. Muitas das línguas Khoisan são em perigo. O Khoi e San povos são considerados os habitantes desta parte de África.
Após o fim da colonialismo, Quase todos os países Africano adoptada línguas oficiais que se originou fora do continente, embora vários países também concedeu o reconhecimento legal de línguas indígenas (como Suaíli, Iorubá, Ibo e Hausa). Em muitos países, Inglês e Francês (ver Africano francês) São usados para a comunicação na esfera pública, tais como governo, comércio, educação e mídia. Árabe, Português, Afrikaans e Malgaxe são exemplos de idiomas que têm sua origem fora da África, e que são usados por milhões de africanos, hoje, tanto nas esferas pública e privada.

Cultura

Kikuyu mulher Quênia
Cultura moderna Africano é caracterizada por respostas conflitantes para O nacionalismo árabe e imperialismo europeu.[carece de fontes?] Cada vez mais, no início da década de 1990, os africanos foram reafirmar sua identidade.[carece de fontes?] Em Norte de África, Especialmente devido à rejeição do rótulo Árabe ou europeu, agora há um aumento de pedidos de protecção especial dos povos indígenas línguas berberes e da cultura em Marrocos, Egito, Argélia e Tunísia.[carece de fontes?] A re-emergência da Pan-africanismo desde a queda do apartheid agravou exige um renovado senso de identidade Africano.[carece de fontes?] Na África do Sul, os intelectuais das comunidades de colonos descendentes de europeus cada vez mais se identificam como Africano para a cultura, mais do que geográfica ou racial, razões. Famosa, alguns sofreram cerimónias rituais para tornar-se membros da Zulu ou outras comunidades.[carece de fontes?]
Muitos aspectos das culturas tradicionais Africano tornou-se menos praticada nos últimos anos como resultado de anos de negligência e supressão de regimes coloniais e pós-colonial.[carece de fontes?] Existe agora um renascimento nas tentativas de redescobrir e revalourise Africano culturas tradicionais, em movimentos como o Renascimento Africano, Liderado por Thabo Mbeki, Afrocentrism, Liderado por um grupo de estudiosos, incluindo Molefi Asante, Bem como o reconhecimento crescente do espiritismo tradicional através da descriminalização Vodu e outras formas de espiritualidade. Nos últimos anos, a cultura tradicional Africano tornou-se sinónimo de pobreza rural e agricultura de subsistência.[carece de fontes?]
Cidades de Djenné Velha.
Fasil Ghebbi na Etiópia
A grande maioria dos estudos sobre a África era estranho e à demanda de representações exóticos e bizarros de África. A execução dos decretos do governo e as políticas tendem a produzir efeitos que confirmou os preconceitos dos colonizadores europeus.

Visual de arte e arquitetura

Africano arte e arquitetura refletir a diversidade das culturas Africano. Os exemplos mais antigos existentes da arte da África são 82 mil anos contas feita a partir de Nassarius conchas que foram encontrados no Aterianas níveis em Grotte des Pombos, Taforalt, Marrocos.[carece de fontes?] O Grande Pirâmide de Gizé em Egito foi o estrutura mais alta do mundo Por 4.000 anos, até a conclusão do Lincoln Cathedral por volta do ano 1300. As ruínas de pedra de Grande Zimbabwe também são notáveis pela sua arquitectura e da complexidade do igrejas monolíticas em Lalibela, Etiópia, da qual o Igreja de São Jorge é representativa.[carece de fontes?]

Música e dança

Um jovem tocando k'ra, Um instrumento tradicional de Etiópia
O Egito tem sido por muito tempo um foco cultural do o mundo árabe, Enquanto a lembrança dos ritmos da África subsariana, em particular a África Ocidental, foi transmitida através do Comércio de escravos do Atlântico às modernas samba, blues, jazz, reggae, hip hopE rocha. A década de 1950 até a década de 1970 viu uma aglomeração desses vários estilos com a popularização da Afrobeat e Highlife música. A música moderna do continente inclui o canto coral altamente complexo da África Austral e os ritmos de dança do gênero musical da soukous, Dominada pela Música da República Democrática do Congo. Indígenas e tradições musicais de dança da África são mantidas pela tradição oral, e elas são distintas da música e dos estilos de dança Norte de África e África do Sul. Árabe influências são visíveis no Norte Africano música e dança e, na África do Sul, influências ocidentais são evidentes, devido à colonização.

Esportes

Cinqüenta e três países têm Africano soccer (futebol) equipes na Confederação de Futebol Africano, Enquanto que Camarões, Nigéria, Senegal, Gana e avançaram à fase eliminatória da recente Copas do Mundo FIFA. África do Sul será o anfitrião da Copa do Mundo de 2010, E será o primeiro país Africano a fim de fazê-lo.
Grilo é muito popular em alguns países Africano. África do Sul e Zimbábue ter Teste estado, enquanto Quênia é a equipe de teste não levando em Um Dia Internacional cricket e atingiu permanente Um Dia Internacional status. Os três países organizada conjuntamente o Copa do Mundo de Críquete de 2003. Namíbia é o outro país Africano de ter jogado em uma Copa do Mundo. Marrocos no norte da África também recebeu a 2002 Copa do Marrocos, Mas a equipe nacional nunca se qualificou para um grande torneio.
Rugby é muito popular na África do Sul.

Religião

Africanos professam uma grande variedade de crenças religiosas[83] e estatísticas sobre a afiliação religiosa são difíceis de encontrar, uma vez que são muito sensíveis um tópico para que os governos com populações mistas.[84] De acordo com o World Book Encyclopedia, Islam é a maior religião na África, seguido por Cristandade. Conforme Encyclopedia Britannica, 45% da população são muçulmanos, 40% são cristãos e menos de 15% não são religiosos ou seguir Africano religiões. Um pequeno número de africanos Hindu, Baha'i, Ou crenças do tradição judaica. Exemplos de Africano judeus são os Beta Israel, Lemba povos e as Abayudaya do leste de Uganda.

Territórios e regiões

Os países desta tabela são classificados de acordo com o regime de sub-regiões geográficas utilizado pela Organização das Nações Unidas, e os dados são incluídos por fontes em artigos referenciados. Onde eles diferem, as cláusulas são claramente indicadas.
Regiões de África:      Norte de África      África Ocidental      Médio África      África Oriental      África do Sul
 
 
Mapa Físico da África
Foto de satélite da África
Mapa político da África
Nome da região[85] e
território, com pavilhão
Área
(Km ²)
População
(2009 est) exceto quando indicado
Densidade
(Por km ²)
Capital
África Oriental: 6,384,904 316,053,651 49.5
Burundi Burundi 27,830 8,988,091[86] 322.9 Bujumbura
Comoros Comores 2,170 752,438[86] 346.7 Moroni
Djibouti Djibouti 23,000 516,055[86] 22.4 Djibouti
Eritrea Eritreia 121,320 5,647,168[86] 46.5 Asmara
Ethiopia Etiópia 1,127,127 85,237,338[86] 75.6 Adis Abeba
Kenya Quênia 582,650 39,002,772[86] 66.0 Nairobi
Madagascar Madagáscar 587,040 20,653,556[86] 35.1 Antananarivo
Malawi Malavi 118,480 14,268,711[86] 120.4 Lilongwe
Mauritius Maurício 2,040 1,284,264[86] 629.5 Port Louis
Mayotte Mayotte (França) 374 223,765[86] 489.7 Mamoudzou
Mozambique Moçambique 801,590 21,669,278[86] 27.0 Maputo
Réunion Reunião (França) 2,512 743,981(2002) 296.2 Saint-Denis
Rwanda Ruanda 26,338 10,473,282[86] 397.6 Kigali
Seychelles Seychelles 455 87,476[86] 192.2 Vitória
Somalia Somália 637,657 9,832,017[86] 15.4 Mogadíscio
Tanzania Tanzânia 945,087 41,048,532[86] 43.3 Dodoma
Uganda Uganda 236,040 32,369,558[86] 137.1 Kampala
Zambia Zâmbia 752,614 11,862,740[86] 15.7 Lusaka
Médio África: 6,613,253 121,585,754 18.4
Angola Angola 1,246,700 12,799,293[86] 10.3 Luanda
Cameroon Camarões 475,440 18,879,301[86] 39.7 Yaoundé
Central African Republic Central Republic Africano 622,984 4,511,488[86] 7.2 Bangui
Chad Chade 1,284,000 10,329,208[86] 8.0 N'Djamena
Republic of the Congo Congo 342,000 4,012,809[86] 11.7 Brazzaville
Democratic Republic of 
the Congo República Democrática do Congo 2,345,410 68,692,542[86] 29.2 Kinshasa
Equatorial Guinea Guiné Equatorial 28,051 633,441[86] 22.6 Malabo
Gabon Gabão 267,667 1,514,993[86] 5.6 Libreville
São Tomé and Príncipe São Tomé e Príncipe 1,001 212,679[86] 212.4 São Tomé
Norte de África: 8,533,021 211,087,622 24.7
Algeria Argélia 2,381,740 34,178,188[86] 14.3 Argel
Egypt Egito[87] 1,001,450 83,082,869[86] total, a Ásia 1,4 82.9 Cairo
Libya Líbia 1,759,540 6,310,434[86] 3.6 Tripoli
Morocco Marrocos 446,550 34,859,364[86] 78.0 Rabat
Sudan Sudão 2,505,810 41,087,825[86] 16.4 Cartum
Tunisia Tunísia 163,610 10,486,339[86] 64.1 Tunis
Western Sahara República Árabe Saaraui Democrática[88] 266,000 405,210[86] 1.5 El Aaiún
território Espanhol e Português na África do Norte:
Canary Islands Ilhas Canárias (Espanha)[89] 7,492 1,694,477(2001) 226.2 Las Palmas de Gran Canaria,
Santa Cruz de Tenerife
Ceuta Ceuta (Espanha)[90] 20 71,505(2001) 3,575.2
Madeira Madeira Islands (Portugal)[91] 797 245,000(2001) 307.4 Funchal
Melilla Melilla (Espanha)[92] 12 66,411(2001) 5,534.2
África do Sul: 2,693,418 56,406,762 20.9
Botswana Botswana 600,370 1,990,876[86] 3.3 Gaborone
Lesotho Lesoto 30,355 2,130,819[86] 70.2 Maseru
Zimbabwe Zimbábue 390,580 11,392,629[86] 29.1 Harare
Namibia Namíbia 825,418 2,108,665[86] 2.6 Windhoek
South Africa África do Sul 1,219,912 49,052,489[86] 40.2 Bloemfontein, Cidade do Cabo, Pretória[93]
Swaziland Suazilândia 17,363 1,123,913[86] 64.7 Mbabane
África Ocidental: 6,144,013 296,186,492 48.2
Benin Benin 112,620 8,791,832[86] 78.0 Porto-Novo
Burkina Faso Burkina Faso 274,200 15,746,232[86] 57.4 Ouagadougou
Cape Verde Cabo Verde 4,033 429,474[86] 107.3 Praia
Côte d'Ivoire Côte d'Ivoire 322,460 20,617,068[86] 63.9 Abidjan,[94] Yamoussoukro
The Gambia Gâmbia 11,300 1,782,893[86] 157.7 Banjul
Ghana Gana 239,460 23,832,495[86] 99.5 Accra
Guinea Guiné 245,857 10,057,975[86] 40.9 Conakry
Guinea-Bissau Guiné-Bissau 36,120 1,533,964[86] 42.5 Bissau
Liberia Libéria 111,370 3,441,790[86] 30.9 Monrovia
Mali Mali 1,240,000 12,666,987[86] 10.2 Bamako
Mauritania Mauritânia 1,030,700 3,129,486[86] 3.0 Nouakchott
Niger Níger 1,267,000 15,306,252[86] 12.1 Niamey
Nigeria Nigéria 923,768 149,229,090[86] 161.5 Abuja
Saint 
Helena, Ascension and Tristan da Cunha Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha (UK) 410 7,637[86] 14.4 Jamestown
Senegal Senegal 196,190 13,711,597[86] 69.9 Dakar
Sierra Leone Serra Leoa 71,740 6,440,053[86] 89.9 Freetown
Togo Togo 56,785 6,019,877[86] 106.0 Lomé
África Total 30,368,609 1,001,320,281 33.0
COMPARTILHAR:

+1

0 Comentario "Africa a dona do mundo"

Postar um comentário

destaques

Super Teen TVSuper Teen TV


Club Disney


Radio Disney

Nick Lovers

Nick Lovers

C Box






Mapa Online